Coisas que dão errado

Ontem fiz uma maratona. De filmes, é claro.

Assisti Truque de mestre, o primeiro ainda. Kill Bill, também o volume 1. Questão de tempo e ABC do amor.  Tá Andreza, e o que temos com isso? Quatro filmes mais diferentes seria impossível.

O primeiro, trata, vejam só de ilusão. O segundo, vingança. O terceiro, tempo. E o último, narra o primeiro amor de Gabe.

Posso juntar todas essas coisas em negritos e fazer um texto legal pra caramba.

Mas não vou.

 

Tudo é questão de tempo, Andreza.

Tim é um cara normal que mora numa casa normal no condado da Normalândia. Até que em seu aniversário de 21 anos, seu pai conta o grande segredo da família: todos os homens da família são capazes de viajar no tempo. Aliás, de voltar no tempo. Basta entrar dentro de um armário, cerrar os punhos e pensar num momento. Voilà.

Lembrando que, um bater de asas de um borboleta aqui causa um furacão no outro lado do mundo. Tim vai aprendendo com a ajuda do seu pai a entender as coisas como são, o tal da vida, universo e tudo mais. Eu sei, eu sei. Uso muito essa referência. Mas é aquilo, né? Fazer o quê?

Entre suas conversas construtivas feat. pseudo-filosóficas, seu pai conta seu segredo da felicidade. Ao final de cada dia, ele volta ao início e revive tudo. Aproveitando cada momento que não tinha dado a miníma por estar nervoso, ansioso ou com medo.

Entrei no meu próprio armário. Voltei no meu próprio tempo.

Domingo. Frio à beça. Frio pra caramba. Frio pra caraca. Vários universos disponíveis, você abre a porta e começa mais um. É diferente agora, porque já sei todas as besteiras que vou falar. Então, olho mais pra você. Continuo nervosa. Por favor, me abraça. Repito as piadinhas. Quebro o gelo. Esquento meus pés. Olho pro seu cabelo. Olho mais. Paro de falar um pouco e olho pra você. Era tudo questão de tempo. E eu não tinha.

Continua frio. Quero tudo. Mas olha só o seu cabelo, é tão lindo. O frio nos pés não passa. Por favor ria mais. Na minha cabeça você era tão mais engraçado. Ouié. Tentarguardar tudo na cabeça. Você não vai viver isso de novo. E aqui que eu percebo que teria (não) feito tudo exatamente igual, porque era exatamente isso que deveria ter acontecido.

Menos você ter sido babaca depois.

Isso não precisava.

Isso saiu do meu script. Isso não deu certo.

Às vezes, é melhor não dar mesmo.

 

 

Anúncios

Deixe um comentário

Preencha os seus dados abaixo ou clique em um ícone para log in:

Logotipo do WordPress.com

Você está comentando utilizando sua conta WordPress.com. Sair / Alterar )

Imagem do Twitter

Você está comentando utilizando sua conta Twitter. Sair / Alterar )

Foto do Facebook

Você está comentando utilizando sua conta Facebook. Sair / Alterar )

Foto do Google+

Você está comentando utilizando sua conta Google+. Sair / Alterar )

Conectando a %s